Comprometimento da tradução de Systema Materiae Medicae Vegetabilis Brasiliensis de Martius

Alexandre Indriunas

Resumo


A viagem de Martius e Spix pelo território brasileiro no século XIX gerou diversas obras, entre elas uma publicada em latim por Martius sobre plantas medicinais aqui então utilizadas. No trabalho datado de 1843, Martius lista mais de 800 espécies, ordenando-as em um sistema de classes de substâncias. Esta importante fonte de informações sobre plantas medicinais e para estudos em etnobotânica histórica foi traduzida para o português por Henrique Velloso d’Oliveira em 1854, com o intuito de torná-la mais acessível aos leitores em geral. A tradução apresenta graves inconsistências com o comprometimento da citação das espécies, incluindo criação de nomes botânicos a partir de comentários taxonômicos do autor original, omissões e adições de usos, propriedades, preparos, indicações, comparações, interpretações, além de outras questões botânicas. Alguns erros de tradução sugerem o desconhecimento de questões taxonômicas e morfológicas, contribuindo ainda mais para a descaracterização do original. A tradução altera o original a tal ponto que deve ser desconsiderada para fins de estudos sobre as plantas medicinais no Brasil. O texto original no entanto continua sendo uma rica fonte de informações sobre este tema.

Palavras-chave


etnobotânica histórica, Henrique Velloso d’Oliveira, história da botânica, plantas medicinais

Texto completo:

PDF


Esta publicação é filiada à ABEC

Licença Creative Commons
Rodriguésia - Revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported License.
A licença se aplica a todos os trabalhos disponíveis no site rodriguesia.jbrj.gov.br.