Composição florística e fitossociologia de macrófitas aquáticas em um banhado continental em Rio Grande, RS, Brasil

Daiane de Sena Kafer, Ioni Gonçalves Colares, Sonia Marisa Hefler

Resumo


Este trabalho teve como objetivo realizar estudo florístico e fitossociológico de macrófitas aquáticas em um banhado continental. Foram distribuídas, sistematicamente, 100 parcelas de 1 m2 (intervalos de 1 m), em 10 transectos (20 m), no Banhado 25. Mensalmente, durante um ano, as plantas foram observadas in situ, coletadas, identificadas e classificadas quanto ao hábito e forma biológica. Para cada espécie registrada foram calculadas cobertura e frequência absoluta e relativa, e o índice de valor de importância (IVI). Foi analisada a similaridade da composição florística (índice de Sorensen) e aplicada regressão linear. Foram levantadas 82 espécies de macrófitas aquáticas vasculares, distribuídas em 33 famílias. Em riqueza de espécies, Cyperaceae (16 táxons), seguida de Poaceae e Asteraceae (12 táxons cada), mostraram maior contribuição. O hábito herbáceo (88%) e a forma biológica anfíbia (94%) foram os mais representativos. Scirpus giganteus Kunth apresentou o maior IVI (27,58%). Maiores índices de cobertura desta espécie demonstraram diminuição significativa na riqueza das espécies (r2 = 0,503; p < 0,0001). A alteração na composição florística da margem em relação ao interior do banhado ficou evidenciada pela análise de similaridade, formando dois grupos, possivelmente separados pelo grau de umidade do substrato.

Palavras-chave


flora macrofítica, ambientes úmidos, zona costeira, Rio Grande do Sul

Texto completo:

PDF


Esta publicação é filiada à ABEC

Licença Creative Commons
Rodriguésia - Revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported License.
A licença se aplica a todos os trabalhos disponíveis no site rodriguesia.jbrj.gov.br.