Phytosociology and natural subtropical grassland communities on a granitic hill in southern Brazil

Robberson Bernal Setubal, Ilsi Iob Boldrini

Resumo


Abstract

A phytosociological survey was carried out in a study area located at Serra do Sudeste, southern Brazil, where forests and grasslands are distributed in a mosaic, seeking to unravel diversity patterns in four different grassland communities. Grassland management traditionally adopted by the local population is characterized by burning practices that aim to eliminate woody species, delaying the forest expansion process that is favored by the extant climate. The number of plots distributed per community was as follows: rocky grasslands (17), dry grasslands (33), moist grasslands (15) and marshy grasslands (5). Different numbers of plots were used due to the natural conditions of these communities, with highest cover for dry grasslands, followed by rocky, moist and marshy grasslands. Data analyses consisted of calculating community indexes and parameters and exploratory multivariate analysis. We verified that c. 15% of species among the 177 registered taxa were highly dominant in the constitution of the vegetation matrix in all communities, whereas most of the species showed low frequency and cover values. Rocky and dry grasslands showed higher similarity and diversity indexes than moist and marshy grasslands. We concluded that the large number of rare or intermediate-frequency species is decisive for the high diversity found in these grasslands.

Fitossociologia e comunidades de campos subtropicais naturais em um morro granítico no sul do Brasil

Resumo

Um levantamento fitossociológico foi realizado em uma área de vegetação campestre localizada na Serra do Sudeste, sul do Brasil, onde campos e florestas estão distribuídos em mosaico, buscando compreender padrões de diversidade em quatro comunidades. O manejo destes campos realizado pela população local é caracterizado por práticas de queimadas periódicas visando eliminar espécies lenhosas, retardando assim o processo de expansão florestal favorecido pelo clima atual. O número de parcelas por comunidade foi: campo rupestre (17), campo seco (33), campo úmido (15), campo brejoso (5). Diferentes totais de parcelas foram utilizados devido às condições naturais dessas comunidades, com uma alta cobertura de áreas de campo seco, seguido pelos campos rupestres, úmidos e brejosos. A análise de dados consistiu no cálculo de índices e parâmetros fitossociológicos e análises multivariadas exploratórias. Verificou-se que aproximadamente 15% dos 177 táxons registrados apresentaram maior dominância na composição da vegetação nas quatro comunidades, enquanto a maioria das espécies apresentou baixos valores de frequência e cobertura. Maiores índices de similaridade e diversidade foram encontrados entre campos secos e rupestres do que entre campos úmidos e brejosos. Conclui-se que o grande número de espécies raras e de frequência intermediária é determinante para os elevados índices de diversidade encontrados nestes campos.


Palavras-chave


Pampa biome, diversity, rare species, fire, bioma Pampa, diversidade, espécies raras, fogo



Esta publicação é filiada à ABEC

Licença Creative Commons
Rodriguésia - Revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported License.
A licença se aplica a todos os trabalhos disponíveis no site rodriguesia.jbrj.gov.br.