Aspectos ecofisiológicos da semente e da plântula de Raulinoa echinata (Rutaceae), espécie endêmica da vegetação ciliar do vale do Itajaí, SC, Brasil

Adriano Antonio Darosci, Maria Terezinha Silveira Paulilo

Resumo


Nesse estudo foram analisados aspectos da ecofisiologia e da morfologia da semente e da plântula de Raulinoa echinata, visando a obtenção de dados que possam contribuir para estudos taxonômicos, ecologia e preservação desta espécie. As sementes foram obtidas de frutos coletados de uma população localizada em Apiúna (SC). As plântulas, obtidas da germinação das sementes, foram plantadas em bandejas contendo substrato composto por nitossolo vermelho distroférrico e areia (1:1), irrigadas diariamente e avaliadas após 15 dias de crescimento. A análise das sementes mostrou que estas apresentam formato ovóide, são exariladas, exalbuminosas, apresentando embrião axial e cotilédones carnosos, características morfológicas comuns para a família Rutaceae. Contudo, as sementes apresentaram micrópila conspícua, característica não descrita para a família. A plântula não expõe os cotilédones, mantendo-os no interior do tegumento e abaixo do solo, classificando-a como cripto-hipógeo-reserva. Alguns desses aspectos encontrados são importantes para elucidar a relação da espécie com a vegetação ciliar e com outros gêneros de Rutaceae.

Palavras-chave


cripto-hipógeo-reserva, endemismo, ecofisiologia

Texto completo:

PDF


Esta publicação é filiada à ABEC

Licença Creative Commons
Rodriguésia - Revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported License.
A licença se aplica a todos os trabalhos disponíveis no site rodriguesia.jbrj.gov.br.