Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado sensu stricto de Buritis, Minas Gerais, Brasil

Felipe Cito Nettesheim

Resumo


(Estrutura e florística do estrato arbóreo no cerrado sensu stricto de Buritis, Minas Gerais). A crescente perda de cobertura do cerrado sensu stricto vem demandando mais estudos sobre sua ecologia para auxiliar em sua conservação. Este estudo caracteriza a composição florística e estrutural do estrato arbóreo de um cerrado sensu stricto e testa sua similaridade a outros locais com fisionomia similar. Através de parcelas, foi amostrada uma área de 1,45 ha, registrando-se indivíduos com DAS ≥ 10 cm. Foram calculados os parâmetros estruturais, índice de Shannon (H’), equitabilidade de Pielou (J’) e analisada a distribuição de espécies em classes de diâmetro, enquanto a distribuição de indivíduos, em classes de altura e diâmetro. O estudo foi comparado a nove cerrados sensu stricto através da análise de similaridade. Registrou-se 1155 indivíduos, 90 espécies, 73 gêneros e 37 famílias. H’ foi igual a 3,75 e J’ igual a 0,83. Qualea grandiflora, Magonia pubescens, Curatella americana e Qualea parviflora apresentaram os maiores valores de importância. A densidade foi 796 indivíduos/ha e a área basal somou 11,87m2/ha. O estudo demonstra maior semelhança entre o cerrado sensu stricto de Buritis e o encontrado sobre solos rochosos no norte de Goiás e sul de Tocantins, além de detectar padrões florísticos que apontam a relação da flora arbórea entre diferentes áreas no Brasil central.


Palavras-chave


Riqueza, Diversidade, Similaridade, Heterogeneidade

Texto completo:

PDF


Esta publicação é filiada à ABEC

Licença Creative Commons
Rodriguésia - Revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial 3.0 Unported License.
A licença se aplica a todos os trabalhos disponíveis no site rodriguesia.jbrj.gov.br.